Quarta-feira, 6 de Janeiro de 2010

Escada de peixe vai FINALMENTE ( ? ) ser construída junto à ponte-açude de Coimbra

Vamos acreditar que é mesmo desta vez. O assunto como todos sabemos tem a ver com Penacova e com a sua afamada lampreia . Basta pesquisar a etiqueta ( tag) " escada de peixe" neste blogue e verificar como tem sido a luta por esta obra e como as promessas têm vindo a suceder-se...

 

O Diário de Coimbra noticiou:

 

Escada de peixes começa a ser construída em Fevereiro

 A empreitada da construção da nova escada de peixes no Açude-Ponte deverá começar, segundo avançou, ontem, Carlos Encarnação, «em Fevereiro». No início da reunião do executivo municipal, o presidente da Câmara de Coimbra deu conhecimento de uma missiva, datada de 22 de Dezembro de 2009, do Instituto da Água, segundo a qual está assinado o contrato de construção da nova escada de peixes, assim como está em condições de proceder à consignação da obra.

 No dia 3 de Novembro de 2009, refere o documento, teve lugar, no local da obra, uma reunião entre representantes do Instituto da Água, da Câmara de Coimbra, da Administração da Região Hidrográfica do Centro e da empresa adjudicatária para «discutirem as implicações da realização desta obra com infra-estruturas existentes e com o trânsito rodoviário que circula no passadiço de serviço do Açude de Coimbra».

 Da reunião, revela o documento lido e entregue, ontem, aos vereadores, «foi concluído ser possível compatibilizar a execução da nova escada de peixes com a manutenção da circulação rodoviária na estrada de manutenção da margem esquerda e no passadiço pelo menos na maioria do tempo de execução da obra». Contudo, dado que o novo executivo tomava posse a 5 de Novembro, a avalização por parte da autarquia das condições para dar início à obra ficou sujeita a confirmação pelo novo executivo.

 Dado «o lapso de tempo decorrido» e estando, neste momento, o arranque da empreitada «somente dependente desta confirmação», o Instituto da Água solicitou à Câmara de Coimbra para que, «com a máxima brevidade, seja enviada a referida confirmação para que seja possível dar início à execução da obra», revelando que «se torna urgente dada a época do ano e por razões ambientais dotar o Açude de um órgão hidraúlico que assegure a sobrevivência das espécies piscícolas e anádromas».

 Após lamentar os atrasos na conclusão das obras do IC2, Carlos Encarnação disse querer ver «bem esclarecido qual é a parte afectada na circulação rodoviária», assim como assumiu pretender que «fique esclarecido, no plano de obras, qual é o período de interrupção daquele passadiço junto ao Açude-Ponte» para, acrescentou, «medirmos bem as complicações de trânsito que existirão». O prazo de execução da nova escada de peixes é de 16 meses.

 João Henriques

posted by penacovaonline às 21:59
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 23 de Julho de 2008

Escada de peixe do açude-ponte de Coimbra vai , finalmente, ser construída

 

 

O Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional vai colocar a concurso público, via Instituto da Água, a empreitada de construção da nova escada de peixe do açude-ponte de Coimbra.
A medida, solicitada pelas mais diversas entidades, inclusive com uma petição e requerimentos à Assembleia da República, irá facilitar, assim que concretizada, o ciclo de vida da lampreia, bem como do sável, apesar deste estar praticamente extinto.
Estácio Flórido, actual mordomo-mor da Confraria da Lampreia, tem sido dos mais empenhados defensores da construção de uma nova escada de peixe no açude-ponte, uma luta que começou a travar na década de 80, era então presidente da Câmara de Penacova.
Por isso, foi com naturalidade que, face à solicitação do Diário de Coimbra para um comentário, indagou pela fonte da notícia e da sua veracidade. Quebrado o cepticismo, deixou escapar uma sentida alegria - «é uma excelente novidade» - para de seguida observar que é de extrema importância económica e ambiental para Penacova, mas também para a região Centro.
Aliás, de tal forma importante que a Confraria da Lampreia estava a ultimar, como último recurso, a interposição de uma acção jurídica contra o Estado, alegando «delapidação do património». Já não será necessário, constata Estácio Flórido, mas houve uma longa luta até aos dias de hoje. O responsável da Confraria, associação que também nasceu, em 2003, como forma de pressão para salvar a lampreia, recorda a petição, realizada em conjunto com a Associação de Amigos do Mondego e seus Efluentes. «Teve quatro mil assinaturas», observa, antes de recordar as deslocações à Assembleia da República até a subida a plenário, onde foi «aprovada por unanimidade».
Nas normas do concurso a lançar pelo Instituto da Água pode ler-se que a obra «é constituída pelo dispositivo de transposição dos peixes, pela bacia de dissipação do caudal adicional, pela câmara de válvulas», entre outros trabalhos complementares. Refere-se ainda «um compartimento para recolha das ensecadeiras, casa de monitorização e contagem de peixes (edifício de exploração), construção da estrutura em gabiões na zona de entrada dos peixes e todas as obras a efectuar a jusante do açude…».
A empreitada, com um preço base de dois milhões e meio de euros, tem um prazo de execução estimado em 18 meses. Os critérios de adjudicação, entre outras informações, podem ser consultados no processo do concurso, patente no Departamento de Obras, Protecção e Segurança, na avenida Almirante Gago Coutinho, em Lisboa.

 

Turistas a apreciar passagem dos peixes

 

Vai para seis anos que o Instituto da Água encomendou à empresa Hidroprojecto a elaboração de um plano para construção da escada de peixe no açude-ponte. No estudo, que resultou em projecto final e pronto a ser executado, participaram técnicos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC).
Na altura da projecção concluída, em 2002, os custos estavam estimados em um milhão de euros, contra os 2,5 milhões agora previstos. Num trabalho publicado em Maio de 2006, o Diário de Coimbra divulgou em pormenor o projecto, que contempla a construção de diversas bacias desniveladas entre si, pensadas para proteger a lampreia, mas também o sável e a savelha. De sublinhar a criação de uma sala envidraçada, com duas funções distintas: monitorizar as espécies por parte dos biólogos e permitir o aproveitamento turístico, com vistas privilegiadas da passagem dos peixes.

In DIÁRIO DE COIMBRA, via Alerta Google
FOTO: http://www.diariocoimbra.pt/fotos/18991.JPG
( Título nosso)
 

Etiquetas:
posted by penacovaonline às 17:52
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 28 de Março de 2008

Sobre a ( não ) subida da lampreia no Açude...

Do Jornal de Notícias, sobre o problema da lampreia e a escada de peixe na Ponte Açude:

Pecado ambiental

francisco leong / arquivo jn

 Francisco Curate, Antropólogo

Omundo e os homens são antigos. Os pecados também. Afinal, os nossos defeitos são ingénitos, naturais quase sempre a moral cede perante a vontade. Foi no séc. IV, e no Egipto, que um certo Evágrio Pôntico, monge grego, identificou e descreveu (para sua perene glória) os oito males espirituais que acometiam a humanidade e provocatoriamente vexavam e atropelavam a ordem doutrinária judaico-cristã. Quando, no séc. VI, o papa Gregório Magno tomou conhecimento da lista de Evágrio, redefiniu-a face ao cânone da Igreja de Roma. Nasciam os sete pecados capitais.

Embora naquela época as inquietações teológicas fossem bem diferentes do que são hoje, os pecados catalogados por S. Gregório sobreviveram à indeclinável rasura do tempo e permaneceram intocados no catecismo até há bem pouco tempo. Aos sete pecados canónicos, vinculados à culpa individual, a Igreja Católica acrescentou (oficiosamente) outros comportamentos pecaminosos as experiências científicas com seres humanos, a pobreza, a manipulação genética, a injustiça social, a riqueza desmedida, a toxicodependência e a poluição do ambiente.

Este último pecado é especialmente interessante. Mais que uma falha privada parece configurar uma transgressão social. Se uma instituição multissecular como a Igreja Católica demorou tanto tempo a associar as ofensas ao ambiente a uma conduta (individual ou societária, não interessa) moralmente inaceitável, não devemos ceder à perplexidade quando lemos que uma simples "escada de peixe" (uma espécie de rampa em cascata que permite aos peixes ultrapassar obstáculos artificiais motivados por construções humanas) no Açude-Ponte do Rio Mondego, em Coimbra, se conforma ao mísero estado de projecto, de esboço de papel, com 30 anos.

Um rio é um sistema biológico complexo e frágil. Um transtorno ecológico a montante tem consequências a jusante, e vice-versa. A inexistência de uma estrutura que facilite a transposição do Açude impede um grupo de espécies piscícolas, como a enguia, a lampreia, o sável ou a savelha, de subir o rio e aí prosseguirem o normal paradigma biológicos de crescimento e reprodução.

A construção do Açude-Ponte do Rio Mondego na década de 1980 impôs uma pressão pungente sobre o ciclo reprodutivo de algumas espécies de peixes. Ao prejuízo ecológico soma-se o risco de perdas económicas a gastronomia associada à lampreia, por exemplo, sustenta uma valia maior em concelhos como os de Penacova ou Montemor-o-Velho.

O deputado Miguel Almeida, do grupo parlamentar do PSD, vai apresentar um requerimento à Assembleia da República, reclamando explicações sobre o adiamento reiterado de um projecto essencial à manutenção da biodiversidade do Rio Mondego a montante da cidade de Coimbra. Em 2006, os Amigos do Mondego e Afluentes haviam feito o mesmo, sem resultados práticos. São 30 anos de esquecimento e desleixo. A incúria não é pecado, mas deveria ser.

Na crónica da passada semana ("Nem metro, nem meio metro" JN 20/03/2008) referi, por lapso, que os vereadores do PS e PCP da Câmara Municipal de Coimbra votaram contra a moção da Metro Mondego. Na realidade votaram a favor. O projecto foi reprovado com os votos de quatro elementos da coligação PSD/CDS-PP/PPM. Aos visados as minhas desculpas.

 Francisco Curate escreve no JN, semanalmente à quarta-feira www.daedalus-pt.blogspot.com 

FOTO:

https://thumbs.sapo.pt/?pic=http://jn.sapo.pt/2008/03/26/15836903.jpg&H=250&W=250&errorpic=http://jn.sapo.pt/images/lusomundo/jn/errorpic.gif

posted by penacovaonline às 21:09
link | comentar | favorito
Sábado, 22 de Março de 2008

Escada de Peixe na Ponte-Açude de novo reivindicada em Coimbra

Foto: INAG

ESCADA DE PEIXE: Miguel Almeida apresenta requerimento ao ministério

A câmara  acolheu ontem uma reunião com o deputado social-democrata Miguel Almeida para, mais uma vez, se tentar desbloquear o processo de construção da escada de peixe.

 Os presidentes das câmaras de Coimbra e Penacova, Carlos Encarnação e Maurício Marques, o presidente da Região de Turismo do Centro, Pedro Machado, e o vereador António Saltão, da câmara de Montemor-o-Velho, estiveram ontem reunidos na autarquia conimbricense com o deputado social-democrata Miguel Almeida. Promovida pela região de turismo, a reunião teve como principal objectivo fazer valer a importância da obra em termos estratégicos e turísticos. Isto porque, para continuar a haver festivais de gastronomia ligado à lampreia, é necessária a construção da escada de peixe. “Senão, corremos o risco de começar a ver definhar o produto”, afirmou ao DIÁRIO AS BEIRAS Pedro Machado.

Dezenas de vezes anunciada como obra essencial para a região, a famosa escada de peixe tem sido um dos cavalos de batalha do actual presidente da câmara de Penacova. Maurício Marques, à saída da reunião, frisou mesmo que já a reclama há “onze anos”. É que, como fez questão de lembrar, a actual escada não serve os interesses destes ciclóstomos, já que nalguns casos são os guardas florestais que transportam as lampreias para montante do rio Mondego.

Miguel Almeida referiu que, numa primeira fase, irá entregar um requerimento na Assembleia da República a questionar o ministro do Ambiente sobre a data de início da construção da escada de peixe. “Todos os partidos consideraram esta uma obra prioritária. É altura dela avançar”, disse.

Aproveitando o tema, o social-democrata irá ainda apresentar outro requerimento com o objectivo de criar um grupo de trabalho para o assoreamento do rio. Uma questão “penalizadora para Coimbra e que pode vir a causar problemas de desenvolvimento turístico da cidade”. É que interessa saber “quem é que apresenta projecto e avança com a obra”, já que a construção da escada de peixe será paga na íntegra pela “dragagem da areia do rio”. Desta forma, irá ser também enviada uma carta sobre este tema para a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro.

Refira-se que a construção da ponte-açude, nos anos 80, transformou-se num obstáculo para a subida de várias espécies piscícolas nas águas do rio Mondego. Entre elas, destacam-se a lampreia, a enguia, o sável e a savelha que utilizam o Mondego e os seus afluentes como local de reprodução ou de crescimento. A escada de peixe consistirá numa rampa em cascata, com tanques de água, que permita aos peixes ultrapassar o açude e subir o rio para desovar e crescer.

In  Diário AS BEIRAS, 18 Março

( texto destacado a bold da nossa responsabilidade)

posted by penacovaonline às 21:56
link | comentar | favorito

Veja mais

Para ver mais registos deste blogue pode clicar no link dos meses anteriores ( ARQUIVO ) na barra lateral.

Ficha Técnica:

Webmaster : David Almeida Contacto: cyber.org@sapo.pt

Outubro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Registos Recentes

Escada de peixe vai FINAL...

Escada de peixe do açude-...

Sobre a ( não ) subida da...

Escada de Peixe na Ponte-...

Etiquetas

actualidade

autarquicas09

blogosfera

bombeiros

desporto

feriado municipal

festitradições

frontal

futebol

igreja

karate

lampreia

lorvão

miro

nova esperança

penacova

penacova a mexer

politica

s. pedro de alva

travanca

todas as tags

Arquivo

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

pesquisar